350-018 - C4040-250 - 810-403 - 810-401 - 810-403 - 810-401 - 70-486 - 200-310 - 300-101 - 300-101 - 400-201 - 70-347 - ADM-201 - 300-208 - ADM-201 - 300-208 - EX200 - 400-051 - 70-461 - 400-051 - 70-461 - MB2-707 - 300-070 - 200-120 - 200-120 - 300-320 - 300-115 - 400-101 - 70-346 - 70-346 - 70-480 - 300-075 - 210-060 - SY0-401 - 210-060 - SY0-401 - M70-201 - HP0-S41 - 100-101 - HP0-S41 - 100-101 - MB2-702 - 101 - 70-488 - 101 - 70-488 - MB2-701 - CISSP - 640-554 - 640-554 - AWS-SysOps - N10-006 - CCD-410 - 210-260 - CCD-410 - 210-260 - MB5-705 - 70-483 - 70-486 - 200-310 - 300-101 - 400-201 - 400-201 - 70-347 - ADM-201 - 300-208 - EX200 - EX200 - 400-051 - 70-461 - MB2-707 - 300-070 - 300-070 - 200-120 - 300-320 - 300-115 - 400-101 - 70-346 - 70-480 - 300-075 - 210-060 - SY0-401 - M70-201 - SY0-401 - M70-201 - HP0-S41 - 100-101 - MB2-702 - MB2-702 - 101 - 70-488 - MB2-701 - CISSP - HP0-S41 - 100-101 - MB2-702 - 101 - 70-488 - 640-554 - AWS-SysOps - N10-006 - CCD-410 - 210-260 - MB5-705 - 70-483 - MB2-701 CISSP 640-554 AWS-SysOps N10-006 CCD-410 210-260 MB5-705 70-483
Primavera explode em perfumes e cores no Jardim Botânico do Rio, o mais antigo do Brasil Primavera explode em perfumes e cores no Jardim Botânico do Rio, o mais antigo do Brasil

Primavera explode em perfumes e cores no Jardim Botânico do Rio, o mais antigo do Brasil

primavera-no-jardim-otanico
Post por: 30/10/2018 0 comentários 113 views
Compartilhe com amigos.

 

Ao ar livre e em estufas, podem ser observadas mais de 2.750 espécies de plantas (algumas ameaçadas de extinção)

 

A chegada da Primavera propicia um passeio inesquecível ao Jardim Botânico do Rio de Janeiro, o mais antigo do Brasil e um dos mais belos pontos turísticos da cidade.

 

perfumescoresjardimbotanicoriomaisantigobrasil
Palmeiras Imperiais / crédito: JBRJ – Marcio Martins

A bem preservada e exuberante área verde de 137 hectares – 54 de área cultivada – é verdadeiro exemplo de diversidade da flora e fauna brasileiras e estrangeiras. Ao ar livre e em estufas, podem ser observadas mais de 2.750 espécies de plantas (algumas ameaçadas de extinção).

O Jardim abriga, ainda, monumentos de valor histórico, artístico e arqueológico. Além de um importante centro de pesquisa, que inclui a mais completa biblioteca do país especializada em botânica, com mais de 32 mil volumes.

 

perfumescoresjardimbotanicoriomaisantigobrasil
Bromeliário / Crédito: JBRJ – Ester Santos

Criado em 13 de junho de 1808, por D. João VI, o Jardim Botânico, antes chamado “Jardim de Aclimação”, abriu suas portas para o público somente em 1822. A exuberância do mais antigo Jardim do Botânico do Brasil já atraiu visitantes ilustres como o físico Albert Einstein e a rainha da Inglaterra, Elizabeth II.

A intenção do príncipe regente, Dom João VI, era fazer daquelas terras um local para tentar adaptar sementes e mudas de especiarias orientais ao clima tropical, de olho em seu grande valor comercial, além de instalar ali uma fábrica de pólvora.

Hoje, o lugar funciona como um importante local de pesquisas e é considerado patrimônio nacional pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e reserva da biosfera da Mata Atlântica pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

São mais de 2.750 espécies de plantas, vindas do mundo inteiro. A mais célebre é a palmeira imperial, símbolo do Jardim Botânico, que chega à altura de um prédio de 15 andares.

 

Centro de Visitantes do Jardim Botânico

 

perfumescoresjardimbotanicoriomaisantigobrasil
Solar da Imperatriz / Crédito: JBRJ

Não faltam encantos e o quê apreciar dentro do parque, ao passar pelo portão que leva ao Centro de Visitantes, localizado na Rua Jardim Botânico, 1008.

Ao entrar, o visitante pode conhecer o Museu do Meio Ambiente, que já recebeu exposição do famoso fotógrafo Sebastião Salgado e, sempre, tem novidades em cartaz com entrada gratuita. 

A visita leva, ainda, ao Solar da Imperatriz de 1575 e à Casa dos Pilões – pequeno núcleo arqueológico representativo da atividade da antiga fábrica de pólvora. Também, ao antigo engenho de açúcar que exibe exposição sobre a história do Jardim Botânico com uma sala interativa.

Para a compra de lembranças, há uma loja administrada pela Associação de Amigos do Jardim Botânico, que oferece kits de jardinagem, bijuterias de sementes, chás e temperos orgânicos. Outro ponto importante do local é o Espaço Tom Jobim, que funciona como centro cultural e teatro.

Em um dos cantos do santuário ecológico, um conjunto de bancos homenageia a escritora Clarice Lispector com frases de sua autoria. Em um deles lê-se: “sentada ali no banco, a gente não faz nada: fica apenas sentada deixando o mundo ser”.

 

Explorando todo o bem da natureza

 

perfumescoresjardimbotanicoriomaisantigobrasil
Jardim Japonês / Crédito: JBRJ – Ester Santos

Há dois corredores de palmeiras imperiais. O principal deles é a Aléia Barbosa Rodrigues, que é cortado por uma fonte do século XIX.

Por todo jardim, jambeiros, mangueiras, craveiros-da-índia e pau-mulato, uma árvore de casca lisa e brilhosa. O passeio leva a túneis formados por gigantescos bambuzais. Muitas descobertas a fazer: quedas d’água, lagos, pontes, ninhos, animais subindo pelos troncos, árvores de nome divertido como abricó-de-macaco, cabeludinha, árvore-do-viajante, entre outras.

E falando de tão maravilhosa natureza, não podemos deixar de lado o orquidário. O primeiro foi construído em 1890. Ao longo dos anos passou por diversas mudanças, acolhendo hoje cerca de 2 mil exemplares com 700 espécies diferentes. A maioria das plantas da coleção do Orchidaceae é composta de espécies brasileiras, mas tem também espécies exóticas e híbridas.

Outra parada incrível é a do Jardim Japonês, criado em 1935, a partir da doação de 65 espécies de plantas típicas do Japão, feita pela Missão Econômica Japonesa, que, na época, visitava o Brasil. Reinaugurado em 1995, apresenta ao visitante um típico recanto nipônico, com jardim de pedras e exemplares de bonsais, bambus, cerejeiras, buquês de noiva e salgueiros-chorões. Nos dois lagos, habitados por carpas, destacam-se as flores de lótus. O local conta ainda com um café, o Café Botânica.

 

Passear, apreciar e respirar ar puro

 

perfumescoresjardimbotanicoriomaisantigobrasil
Saíra faz parte da fauna do JB / Crédito: JBRJ – Alexandre Machado

Além do Arboreto – de nove mil espécimes vegetais que representam ecossistemas brasileiros e de outros países – e do Bromeliário com cerca de mil e setecentos exemplares de plantas ornamentais, encontra-se o Jardim Sensorial – constituído por plantas aromáticas e de diversas texturas, que podem ser tocadas pelos visitantes e destinam-se particularmente à apreciação dos deficientes visuais. São, inclusive, identificadas por placas em braille.

Outros pontos de parada: Insetívoras – atraem, particularmente, a atenção do público infantil; Chafariz Central (Chafariz das Musas) – fabricado na Inglaterra, é constituído por duas bacias; Região Amazônica; Caminho da Mata Atlântica; Aqueduto da Levada; Lago Frei Leandro e Memorial Mestre Valentim. Mas não pensem que acabou, há muito mais! O melhor é chegar cedo e tirar o dia inteiro para respirar o ar puro de tamanha natureza.

 

Serviço:

 

Local: Jardim Botânico do Rio de Janeiro

 

Endereço: Rua Jardim Botânico, 1008 – Jardim Botânico, Rio de Janeiro – RJ 

 

Horários:

Segundas-feiras: 12h às 18h
terças-feiras a domingo: 8h às 18h

 

Ingresso:

 

Inteira: R$ 15

Meia entrada: R$ 7,5

 

Telefones: (21) 3874-1808 / (21) 3874-1214

 

E mail: jbrj@jbrj.gov.br

 

Site: www.jbrj.gov.br

 

 

Foto de capa: tapete de flores de jambeiros no Jardim Botânico do Rio / Crédito: JBRJ – Alexandre Machado 

 

 

 

As informações sobre pacotes, preços e tarifas, aqui, contidos são de inteira responsabilidade das empresas e estão sujeitos à alteração sem aviso prévio.

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Quer receber nossa newsletter?

Digite seus dados e fique por dentro de tudo o que acontece no trade